quinta-feira, 5 de novembro de 2009

O ‘Botafogo paraguaio’

(Créditos site do Botafogo Oficial)


É óbvio ululante, como diria meu ex-companheiro de redação Nélson Rodrigues (1912-1980), que os leitores deste meu alvinegro blog conhecem as expressões ‘cavalo paraguaio’ e ‘uísque paraguaio’. Mas na calorenta noite da última quarta-feira, em pleno Engenhão, todos ficaram conhecendo o’Botafogo paraguaio’. Faz tempo – não muito, claro – que eu não via um Botafogo tão mequetrefe como o que perdeu de 3 a 1 para o Cerro Portenho, depois de também ser derrotado por 2 a 1 em Assunção e, por consequência, ser bisonhamente eliminado da Copa Sul-Americana.

Agora eu pergunto: quantos de vocês, meus amigos e companheiros botafoguenses, terão coragem e disposição para ir novamente ao Engenhão estimular esse time – à beira de mais um rebaixamento – na partida contra o Coritiba? Eu, como diria o intelectual Kleber Leite, me incluo fora dessa. Não mais suporto ver o Botafogo pagar micos medonhos como o que pagou diante do não mais que modesto Cerro Portenho. E digo mais: logo após os primeiros minutos de jogo, sentado diante da televisão, percebi que o Botafogo não conseguiria vencer, jogando como jogou. Mas tomar um sacode de 3 a 1 foi demais para o meu visual, como costuma dizer o garotinho José Carlos Araújo. Não foi apenas uma derrota: foi um nocaute.

Ao invés de fingir-se de morto, fazendo com que o Cerro gostasse do jogo e abrisse espaços para contra-ataques, o Botafogo partiu para cima dos paraguaios desde o primeiro minuto, cometendo o erro primário de atacar sempre pelo meio, deixando André Lima cercado por pelo menos quatro zagueiros adversários. Não fosse a entrada (tardia) do garoto Jobson, pela extrema-direita, e não faríamos, com André Lima, um único e chorado escasso gol. Mas tomamos dois logo depois.

Eu me recordei do tempo em que Zagallo era jogador e, depois, técnico do time. Zagallo era matreiro, principalmente em jogos contra o Flamengo. O Botafogo ficava atrás, fingindo ser dominado e, de repente, com a massa rubro-negra empurrando o Simpaticíssimo, vinha o contra-ataque mortal, com Garrincha ou sem Garrincha. Não vou listar aqui as partidas a que assisti, diante do ‘Mais Querido’. Mas o Botafogo de Zagallo – jogador ou técnico, repito – não partia desesperadamente para cima do adversário, mesmo precisando da vitória a qualquer custo. É claro que sofreu uma ou duas derrotas, pois futebol não é matemática e nem sempre dois mais dois são quatro.

Mas o Botafogo de quarta-feira, pelo amor de meus netinhos, jogou pedra em santo e só não tomou de mais porque o goleiro Jefferson andou fazendo umas defesas milagrosas nos contra-ataques paraguaios. Agora, depois dos 15 mil pagantes de quarta-feira, fico imaginando como será nossa torcida num jogo de vida e de morte contra o Coritiba. Ninguém suporta tomar tantas porradas (perdoem o termo) seguidas.

Leandro Guerreiro fez falta? Claro que fez. Mas no esquema que o técnico (?) armou, não sei se faria diferença. Agora, confesso, espero pelo pior. E se voltarmos a desabar para a segunda divisão, não teremos, como já tivemos, o Palmeiras para nos ajudar. Com o elenco que tem, o Botafogo está mais perdido do que cego em tiroteio. E por mais que ame esse clube, há mais de seis décadas, meu pequeno otimismo foi para o espaço sideral.

O Botafogo, realmente, merece o apelido de ‘time paraguaio’, aquele que parece verdadeiro mas não é.

7 comentários:

Gil disse...

Mestre Porto,
Foi VERGONHOSO!!!

A "frapress" vende que o problema é o Engenhão, mas a verdade é que temos um bando que não sabe sair jogando. Os caras se escondem em campo. Até cobrança de lateral a torcida tem que gritar para alguém se apresentar.
Pela primeira vez na minha vida saí antes do apito final e não presenciei a humilhação do terceiro gol do time "falsificado". Olha que já vi algumas derrotas!
Domingo estarei, novamente, no Engenhão e se esse bando não apresentar algo de bom será meu último jogo esse ano.
Se os conselheiros, sócios e oposição não fizerem nada, o final de ano e os próximos dois serão catastrófico.

Abs e Sds, BOTAFOGUENSES!!!

J.L.Veiga disse...

Não foi vergonho, mas com certeza foi "triste" ver o botafogo cair desta forma em pleno Engenhão, são coisas do futebol, agora é focar no brasileirão e vencer a próxima partida.

Aguardo você la no meu blog, comentei sobre o seu blog por la.
Abraço
Jeferson

J.L.Veiga disse...

Obs: No Blog do Vascão.

antidemocratico disse...

paraguaio e agora sem estádio.
No começo do ano eu vi o Kleber Leite falando em 100 mil por aluguel do engenhão.
Na final da taça guanabara desse ano, perdemos 38% da renda em taxas do Maracanã, mas parece que mesmo eles sendo obrigados a jogar no nosso estádio, o presidente achou uma boa deixar o estádio nas mãos de uma empresa que ja disse, tentará descaracterizar o engenhão como casa do Botafogo e alugará de graça aos clubes.
Estamos nadando em dinheiro?
Como eu disse ja, não precisa ser um Karl Gauss pra fazer as contas e perceber que o lucro é certo ano que vem, basta não deixar nas mãos de um estupido, ou pior, um mau intencionado.

Juarez disse...

Por morar em Sobradinho, Distrito Federal, vejo pouco o Botafogo jogar, ao vivo. Não perco um pela tv, pois tenho pacote com os campeonatos carioca e brasileiro. São pouco os esforço, mas temos que fazer isso para ver o nosso querido Botafogo. Agora você que moram aí "do lado". Principalmente o Sr. Roberto Porto, que nem ingresse deve pagar. Todos nós temos sentimentos, tristezas e aborrecimentos mas, homens públicos, formadores de opinião, devem ser serenos e sábios na hora de dar declarações. Entendo como o Sr. Roberto Porto esteja se sentindo, pois quem viu Nilton Santos, Garrincha, Jairzinho, NEY CONCEIÇÃO, ZEQUINHA, Roberto Miranda entre outros, e agora tem que aturar Faehl, Léo Silva, Diego, Emerson é dose para elefante. Mas daí a fazer campanha contra o Botafogo?!!! Isso não, Sr. Roberto Porto. Isso é inadmissível. Fique triste, deixe de ir ao estádio, mesmo, mas em silêncio ou apresente outros motivos, que com certeza os tem, mas não dê declarações desse tipo, foi, como já disse, és um formador de opinião. Espero não me tornar um opositor costumás de suas idéias, mas não posso ficar omisso quando leio declarações como essa, vindas de uma pessoa tão importante tanto para a crônica esportiva nacional quanto para nós botafoguenses, tão sofridos e achincalhados pela imprensa oportunista e comercial. Grato,
Juarez Jason
Sobradinho/DF

Rafael Barangertusen disse...

Prezado Roberto,
Concordo com o que o Juarez comentou..., sei que assim como nóz também estas muito chateado com o que vem acontecendo ao Botafogo, mas tudo que o clube não precisa é de uma campanha para abandona-lo, pois se assim fizermos o Botafogo se findará; estamos prestes a fechar um acordo(se é que já não foi feito), para darmos o Engenhão, não tenho influência nem conhecimento para tentar mudar esse panorama, por isso peço a você Roberto Porto que mobilize os grandes botafoguenses para que essa diretoria saia do Botafogo antes que seja tarde de mais.
sds

Luiz Rogério disse...

Roberto,

Sua frustração é a mesma de toda a torcida do Botafogo em relação ao jogo contra o Cerro, mas a sua decepção com o atual BFR é maior do que da grande maioria, pois você é uma testemunha do GRANDE e RESPEITÁVEL BOTAFOGO DE FUTEBOL E REGATAS e que muitos, como eu, não viu jogar.
Cresci ouvindo meu pai contar os feitos daquele GLORIOSO, meu tio falando com orgulho que foi aluno de um dos fundadores do clube. E com essas influências o amor pela Estrela Solitária se tornou imensurável e indestrutível e peço com humildade, que você, notório torcedor e notável jornalista use seu prestígio para mobilizar a torcida, para que os verdadeiros botafoguenses tirem o BOTAFOGO desse está letárgico e volte a ser o GLORIOSO que todos nós desejamos.
Para você deixo um forte abraço e saudações botafoguenses.
Luiz Rogério