segunda-feira, 5 de abril de 2010

Chegou a hora de a cobra fumar (*)


Depois da execrável derrota para o Santa Cruz (clube da série inqualificável do Campeonato Brasileiro), é de bom alvitre que o glorioso Botafogo de Futebol e Regatas esteja preparado para enfrentar o Fluminense, sábado, na primeira semifinal da Taça Rio. Inimigo mortal do Botafogo desde 1906 – antes que o Clube da Beira da Lagoa e o Vasco formassem times de futebol – o conhecido Pó de Arroz já nos derrotou agora em 2010 (depois de estar perdendo) e já foi nosso carrasco em outras ocasiões, a pior delas em 1971, com aquele belo gol de José Marçal Filho, quando já estávamos com a mão na taça. Nunca vou esquecer aquela derrota medonha.

Por menos que esteja jogando, Lúcio Flávio vai fazer uma tremenda falta no nosso querido alvinegro de General Severiano, justamente contra o Tricolor, sobre quem conquistamos, há um século, 1910, nosso título histórico (daí a foto que ilustra esse blog como homenagem aqueles heróis). Sei que Papai Joel vai arrumar um substituto à altura para Lúcio Flávio. Mas eu, com 65 anos de Botafogo nas costas, escalaria Herrera no meio-campo e colocaria Loco Abreu e Caio no ataque. E mais: jogaria fechadinho, explorando os contra-ataques, principalmente com Alessandro.

Não temos que nos preocupar com a batalha mortal que travarão domingo, o Clube da Beira da Lagoa e o Vasco. A rigor, preferia que o Vasco acabasse logo com o sonho do tetracampeonato carioca do Simpaticíssimo. Mas nós mesmos poderemos fazer isso – como já fizemos várias vezes no passado – se liquidarmos o Pó de Arroz. Em 1956, estava grudado na televisão quando o paraguaio Cañete, no gol à esquerda das tribunas – bem abaixo da torcida do BL (abreviatura para Beira da Lagoa) – marcou o gol que deles tirou o sonho do tetra campeonato num chute cruzado.

Mas venhamos e convenhamos: o Botafogo precisa saber que hoje o futebol tem um pouco mais de 90 minutos. Deixamos que o BL empatasse conosco nos descontos, recentemente (embora o jogo não tenha tido importância) e permitimos que Cruz Credo (aliás, Santa Cruz) nos eliminasse da Copa do Brasil, em pleno Engenhão, nos minutos finais. Quando Zagallo era técnico do Botafogo e vencíamos por margem estreita no placar, ele, de maneira inteligente, gritava apenas ‘alarga o campo, alarga o campo’. Zagallo queria dizer para os jogadores alvinegros que tocassem a bola para os jogadores que estivessem na laterais, evitando a pressão dos adversários.

O que não podemos, de maneira alguma, é permitir que o Pó de Arroz saia na frente. Esse Botafogo de hoje não tem elenco sólido para ir à frente e arrancar o empate. Será uma desarrumação total, principalmente sem a presença de Lúcio Flávio, que conhece o poder de fogo do alvinegro na palma da mão. E não podemos, também, deixar a partida ir para os pênaltis. Sei que Jefferson e pegador de pênaltis, mas não confio em alguns de nossos cobradores. E se Fred jogar, vai fazer aquela paradinha ignóbil que costuma fazer e que a FIFA ainda não proibiu mas vai proibir.

Mas não podemos nos esquecer de que já somos finalistas desse Carioca (ou Estadual), a partir do momento em que conquistamos a Taça Guanabara. Só não podemos jogar pensando nisso. Quanto mais cedo liquidarmos a fatura, melhor. E importante: o BL não pode ser tetracampeão carioca nem que a vaca tussa.


(*) ‘A cobra vai fumar’ era o lema pintado nos aviões da FAB que foram batalhar na II Guerra Mundial (1939-1945)

5 comentários:

Eraldo Santos Tag DF. disse...

Roberto Porto, saudações alvinegras. Embora tenha sido uma derrota até certo ponto inesperada, creio que ela nos ensinou uma coisa: Aquele time do Santa Cruz se recusou a perder para um grande time como o Botafogo e saiu de campo como se estivesse vencido a Copa do Brasil. Depois do jogo, parei pra pensar e vi que, em muitas partidas que o Fogão disputa, falta aquela vontade forte de superar o adversário e uma vitória quase certa tranforma-se num empate ou numa derrota. Nesta reta final do Estadual, a torcida precisa entender - de uma vez por todas - que não será com vaias que o Botafogo jogará bem. Chega a ser irritante a autoconfiança dos torcedores do "BL" quando eles vão disputar um título; e nos últimos anos, eles têm levado a melhor. Eles desafiam os adversários e depois riem da gente, como se aquele time (o tal do "BL") fosse melhor do que os outros. O BOTAFOGO precisa - urgentemente - transformar-se num time que se recuse a perder, fazendo jus à letra do seu hino imortal. Saudações botafoguenses!!

Gil disse...

Mestre Porto,

O time é o retrato da administração do clube!

O atual gerente de futebol (AB), foi responsável pela venda de um bom jogador e nenhuma contratação quando dava expediente no time da BL. Nessa época o time da BL quase foi rebaixado, por duas vezes, no brasileiro e foram salvos pelos resultados do Palmeiras.
Esse incompetente, também, rebaixou o Juventude!

Se esse incompetente trabalhasse no mundo corporativo estaria exterminado para o mercado.

Abs e Sds, BOTAFOGUENSES!!!

CONVICTOS OU ALIENADOS? disse...

Esperço ser campeão. Mas vai ser duro. O Botafogo costuma perder quando parece fácil. Às vezes faz o contrário, como houve na Taça Guanabara.

Sorte Fogão!

Armando Moya disse...

http://www.botafoguense7.blogspot.com/

Atualizei meu blog.

Rubens Sousa disse...

Falido time do Botafogo, vive das esmolas de Rede Globo e CBF.
Apanhou nesse jogo foi de pouco.
A choradeira é livre :)