terça-feira, 27 de julho de 2010

Dois goleiros de Seleção



Conheci pessoalmente Oswaldo Alfredo da Silva (1923-1999), o Oswaldo Baliza, exatamente na noite de 12 de dezembro de 1998, no salão nobre da sede de Venceslau Brás (ou General Severiano, como quiserem os leitores). Por quê? Porque naquela data estavam sendo completados 50 anos da conquista de 1948, sobre o Vasco da Gama. Tive a idéia da festa, apoiada pelo presidente Mauro Ney Palmeiro, mas poucos foram os campeões que compareceram além de Oswaldo. Rubinho havia morrido, Gérson dos Santos estava em Minas e Nílton Santos, em Brasília; Ávila morava em Resende; Paraguaio morrera pouco antes, assim como ocorrera com Geninho, Pirillo e Braguinha. Além de Baliza, só lá estavam Juvenal e Otávio Sérgio.

Conversei um bom tempo com Oswaldo, que estava acompanhado da mulher, e me assustei com a altura dele. Ou eu crescera muito (1m86) ou Baliza, com o tempo, diminuíra um pouco. Foi um bate-papo meio estranho, pois Baliza parecia meio ausente. Pouco tempo depois, ele foi cumprimentar alguns amigos e a mulher dele me disse que o marido, no dia seguinte, já não se lembraria de nada. Sofria do Mal de Alzheimer, como Nílton Santos sofre hoje. Como não conhecia pessoalmente Juvenal, gastei o tempo conversando com o artilheiro Otávio Sérgio de Moraes.

Na época, pelo que me recordo (não tenho Alzheimer), lamentei muito a ausência de Nílton Santos, Gérson e Ávila. E não me conformava com a morte de Egídio Landolfi, o Paraguaio, dias antes. Curiosamente, conversei com Paraguaio na varanda da sede e ele estava muito bem. Tão bem que me revelou que estava cobrando uns atrasados do Botafogo, na época em que exerceu o cargo de técnico. Mas sequer houve tempo para que o Glorioso saldasse seus compromissos com ele. Pouco depois, ele morreu sem receber o dinheirinho a que tinha direito. Fiquei triste com a história.

Hoje, pelo que estou informado, apenas Juvenal (com um problema na próstata) e Nílton Santos (Alzheimer) estão vivos, como os únicos heróis daquela histórica campanha, quando o Botafogo perdeu na estréia para o São Cristóvão (sem Nílton Santos, substituído por José Sarno) e só empatou mais duas vezes: uma com o Fluminense (2 a 2), em General Severiano, e outra com o Bangu (zero a zero) em Moça Bonita. As demais partidas o Botafogo Venceu-as todas, inclusive duas vezes diante do Urubu e mais duas enfrentando o Vasco, mesmo em São Januário (2 a 1).

Mas o blog de hoje não é para recordar vitórias e ao mesmo tempo tristezas. É para comemorar a convocação do goleiro Jefferson por Mano Meneses, transformando-o no 47º jogador do Botafogo chamado para a Seleção Brasileira, o que dá ao Alvinegro a liderança absoluta em termos de jogadores chamados para defender o Brasil. E Osvaldo? Por quê? Simplesmente porque Oswaldo Baliza foi campeão Pan-Americano pela Seleção Brasileira em 1952, entrando na decisão contra o Chile no Estádio Nacional. Zezé Moreyra, o técnico de Baliza no Campeonato Carioca de 1948, viu que Carlos Castilho (Fluminense) não estava bem e não vacilou: lançou Oswaldo Baliza em seu lugar para conquistar o primeiro título internacional do Brasil em terras estrangeiras.

Daqui deste espaço, faço uma homenagem aos nossos dois goleiros, ambos afro-descendentes (fotos), os únicos do Glorioso (fora Manga) a serem convocados para a Seleção Brasileira que, desastres à parte, na África do Sul, há pouco tempo, é a única pentacampeã mundial. Sorte para Jefferson, nosso goleiro e paz para Oswaldo Baliza, o único de quem Heleno de Freitas tinha medo.

12 comentários:

Jatahy disse...

Caro Robertão,
Creio que vc se confundiu ao dizer que o Jefferson seria o 47º jogador do Botafogo chamado para a Seleção Brasileira. Pelo que eu li, naturalmente eu não sabia, ele pode ser o 93º jogador do Botafogo a jogar pela seleção, convocados que não jogaram deve ter mais alguns.
Obrigado por suas histórias e que nos continue a brindar com os causos do nosso Glorioso.

Marcos Paret disse...

Excelente homenagem, grande alvinegro R. Porto.

Só que na lembrança, me vem a participação do grande Wendell, que só não jogou a Copa de 74 por contusão e a do Paulo Sérgio, na reserva em 82 devido ao lobby paulista a favor do inseguro Valdir Perez.

Aproveito para divulgar aqui o blog da galera que comenta em O Globo, cujo link é .. http://botafogofr-paret.blogspot.com/

É deste blog que se faz uma das linkagens aqui para o seu blog, Roberto.

abços.. Paret

Rodrigo Mercedes disse...

Porto, como vai? Sou leitor assíduo de seu blog!

Esse número de jogadores alvinegros convocados para seleção Braisileira(46), não foram para a Copa do Mundo?

Forte abraço

Rodrigo

CLÉTO MARTINS disse...

GLORIOSO ROBERTO PORTO,

Eu, particularmente, acredito muito no quarteto negro do Glorioso:
Jéferson, Somália, Maicosuel e Jóbson.
Concordo c/ vossa visão que o lugar do Somália é pela lateral direira. E com o aperfeiçoamento, terás grandes chances p/ 2014.
SELEFOGO:Jéferson; Somália, A.Carlos, F.Ferreira e Edno;
L.Guerreiro, Marcelo Mattos, Herrera e Maicosuel; Jobson e Loco.
Saudações Gloriosas!
Cléto Martins

Thamiris Kuhn disse...

Comemorei absurdamente a convocação do goleiro Jefferson à Seleção Brasileira de Futebol. Sei o quanto nós, alvinegros, estamos radiantes, pois o Jefferson merece defender o Brasil nos gramados.
Ademais, posso apelar para um clichê?
Bem...
Não vi Oswaldo Baliza, mas vi Jefferson. (:
Que feliz !!!

Boa sorte para a seleção; boa sorte ao Jefferson; boa sorte ao BOTAFOGO.

Abraços,

cbleite disse...

E o Paulo Sérgio, reserva em 1982, por sinal muito bom goleiro.
Meu e Josinaldo Leite de Oliveira, e sempre leio seu blog.

Obrigado.

Luis disse...

Amigo,esqueceu de Wendel em 74 e Paulo Sergio em 82 quando foram reservas nessas copas e jogaram amistosos antes delas

hcottas disse...

Porto,

Só para lembrar que, além do Oswaldo, do Manga e agora do nosso Jefferson, houve também a convocação do Paulo Sergio, que foi à Copa de 82. Era um grande keeper, apesar de não muito alto (1.80 m), mas tinha excelente impulsão e ótimos reflexos. Acho que teria se saído bem melhor que o pouco confiável Valdir Peres naquela triste Copa.
Um abração !!!

CONVICTOS OU ALIENADOS? disse...

Mestre,

Depois de tanto tempo temos alguém na Seleção. Fico satisfeito e espero que o time cresça no Brasileirão de 2010. Por enquanto a coisa está feia.

Abraços.

Edimilson disse...

Roberto, muito bom o post, mas acho de extrema maldade falar que Heleno tinha medo do Oswaldo Baliza mas não dizer o porquê.

Abraço
Edimilson

Sandro Viero disse...

Grande Oswaldo Baliza. Por sempre ter sido goleiro e adorar a posição sempre procurei saber deles. Por ser um apaixonado pelo Botafogo, o Baliza sempre me interessou, pois vi seu nome em muitas formações. Mas muito pouco achei dele na internet. Depois, lendo o livro do Heleno, ri muito quando li da fúria dele se o Heleno falasse algo e de um jogo onde o próprio Heleno perguntava se ele estava o olhando após tomar um gol, digamos assim, duvidoso. Agora pode saber mais dele. No teu outro blog Roberto, pude ler a história do Hector Lugano e gostaria que um dia falasse do Amauri, que está sentado com Garrincha e outros numa foto do campeonato que evitamos o tetra flamenguista. Se é que estou correto. Viva o Glorioso, q já é terceiro do brasileirão. E, permita-me Roberto, viva o Colorado, meu outro time agora BI da América. Abração...

Sandro Viero disse...

Grande Oswaldo Baliza. Por sempre ter sido goleiro e adorar a posição sempre procurei saber deles. Por ser um apaixonado pelo Botafogo, o Baliza sempre me interessou, pois vi seu nome em muitas formações. Mas muito pouco achei dele na internet. Depois, lendo o livro do Heleno, ri muito quando li da fúria dele se o Heleno falasse algo e de um jogo onde o próprio Heleno perguntava se ele estava o olhando após tomar um gol, digamos assim, duvidoso. Agora pode saber mais dele. No teu outro blog Roberto, pude ler a história do Hector Lugano e gostaria que um dia falasse do Amauri, que está sentado com Garrincha e outros numa foto do campeonato que evitamos o tetra flamenguista. Se é que estou correto. Viva o Glorioso, q já é terceiro do brasileirão. E, permita-me Roberto, viva o Colorado, meu outro time agora BI da América. Abração...