sexta-feira, 3 de abril de 2009

Esse era o meu Botafogo inesquecível


Eu já devia estar mais do que acostumado com as peças e peripécias do meu Botafogo do coração. Mas a partida contra o modesto Madureira, no Engenhão foi dura de roer. Hoje, depois do título da Taça Guanabara, apesar da derrota para o Volta Redonda, estou convencido de que o Glorioso amadureceu antes do tempo. Ou seja, no momento, é claramente o pior dos quatro grandes que lutam pelo título de 2009. O Botafogo vibrante daqueles momentos sumiu na poeira deste Campeonato Estadual do Rio de Janeiro.

E agora, através do Blog-Clipping da amiga Malu Cabral fico sabendo que Victor Simões pode pegar um gancho deslumbrante por causa da sua expulsão idiota contra o Americano. Se já jogando pedras com o time completo, imagino o que não jogará sem a presença de Victor Simões? Que os leitores deste meu blogspot me perdoem, mas já estou ficando pessimista, depois de um curto período de alegria com a conquista da Taça Guanabara. Por isso, hoje, mudo de assunto e escrevo sobre um período de alegrias.

A foto de hoje, com dedicatória, veio do ponteiro-direito Rogério Hetmanek, também conhecido como Rogério Ventilador, pelo movimento que fazia com os braços quando iniciava seus dribles. A foto é histórica. Foi tirada momentos antes de o Botafogo golear o Vasco por 4 a 0 na final do Campeonato Carioca de 1968 (eu estava lá na arquibancada). O ataque era, pela ordem, Rogério Hetmanek, Gérson Nunes, Roberto Miranda, Jair Ventura Filho e Paulo César Lima. Que ataque deslumbrante, heim?

Infelizmente, de acordo com o ditado que diz que há coisas que só acontecem ao Botafogo, o clube, em 1969, não conseguiu chegar ao tricampeonato, jogando fora uma oportunidade de ouro, já que tinha conquistado o bi da Taça Guanabara e o bi nesse jogo diante do Vasco. Sei de muitas coisas ocorridas em General Severiano em 1969, mas prefiro deixar para outra ocasião. A derrota para o Flamengo no famoso ‘Jogo do Urubu’ (2 a 1) é uma das histórias tristes daquele ano em que o tri sumiu.

Por acaso, naquela época, eu estava me recuperando de um rompimento dos ligamentos do tornozelo direito e o doutor Lídio Toledo, numa gentileza fora do comum, me permitiu fazer tratamento médico ao lado dos jogadores, em General Severiano. O detalhe é que, apaixonado pelo clube, arranquei a bota de gesso na véspera do ´Jogo do Urubu’, e fui ao Maracanã acompanhado do meu amigo botafoguense Luiz Carlos Mello. Quando deixei o estádio, meu tornozelo havia virado uma bola de tão inchado – tão inchado como estava minha cabeça após a derrota. Voltei para casa com o pé direito no acelerador – para isso dava – mas fazia os outros movimentos com o pé esquerdo, que não me servia nem para subir num lotação da época.
Mas um dia, prometo, vou falar dessa partida que, literalmente, tirou nossas esperanças no tricampeonato. Mas guardem a foto que é boa. E agradeço a Rogério Ventilador tê-la me enviado de São Paulo com uma dedicatória carinhosa. Valeu, garoto. Já está escaneada e guardada.

13 comentários:

Anônimo disse...

Grande Porto, me lembro desse 2X1, não perdíamos pro fra há cinco anos. Me lembro que o jogo ainda estava 0X0 e um lançamento primoroso do Gérson que deixou o Jairzinho livre para marcar, e este que poderia ter driblado o Domingues, bateu por cima, mas caprichosamente a bola bateu no travessão. Esse filme passa na menha cabeça até hoje. Esse jogo me marcou muito, pois foi a primeira vez que vi no Maracanã o Botafogo perder para o fra. Meu pai me levava a jogos desde de 61 e parece que escolhia a dedo quais jogos contra o fra para me levar. Esse time ter perdido o tri em 69, só mesmo com problemas extra-campo. Abs e SA! Sergio Di Sabbato

Anônimo disse...

Amigo Roberto Porto, infelizmente o seu Botafogo inesquecível eu não pude ver, pois ainda era muito pequeno e em minha casa não tinha televisão. Mas,o "meu" Botafogo inesquecível era aquele que ficou 52 partidas sem perder e que tinha o Zé Carlos no gol e o Mendonça no meio-campo. Tenho a foto daquele time "salva" em meu computador. É incrível como o Botafogo consegue complicar jogos em que poderia vencer até com certa facilidade. Fiquei tão irritado na hora em que o Madureira empatou - 2X2 - que desliguei o celular e tirei o fone de ouvido. Resolvi ligar o rádio para conferir o empate e tomei um susto, pois o time - milagrosamente - conseguira fazer um gol aos 49min.- nos acréscimos - evitando mais um vexame. Que a sorte tenha realmente feito as pazes com o Botafogo pois, nunca vi time tão azarado, meu Deus!!! Saudações alvinegras!!

Gil disse...

Mestre Porto,

Não sei se são coisas de BOTAFGUENSES, mas acredito que o gol do Túlio foi o da virada, não só do jogo contra o Madureira, e sim o do título carioca.

Abs e Sds, BOTAFOGUENSES!!!

MAM disse...

Porto, mesmo concordando com voce em relação a esse momento atual do nosso glorioso tenho certeza, na pureza da alma que vamos ganhar esse titulo.
Vamos virar esse jogo. E se derem mole a gente ganha os dois turnos.

MAM disse...

Esse campeonato de 1969 foi só mais um dos inúmeros títulos que nos deixamos de ganhar. "Sempre perdemos pra nós mesmos"

Ficarei aqui ansioso para maiores detalhes da perca desse campeonato
Abraços

Christiano Nunes disse...

Porto,

Entendo seu pessimismo, concordo com a sua insatisfação, mas agora está chegando a hora da decisão. E você, muito mais do que eu, sabe que nessas horas o Botafogo não é time de titubear. Ou seja, esta história toda de vice-campeonato NÃO PODE nos infectar. A gente nasceu Glorioso e hei de ser Glorioso nos momentos finais, nas grandes decisões. Porque o Botafogo é um time épico! Que dá pra fazer milhares de filmes, livros e peças teatrais. Já dizia Vinicius de Morais, ao indagar Mr. Buster: "E o senhor lá sabe o que é torcer pelo Botafogo?" Por isso tudo, que ninguem cala esse nosso amor, e ao fim desse campeonato a história há de ser Gloriosa, para que nossos filhos e netos lembrem e se consagrem diante dessa data que está por vir. O Alvinegro é movido a paixão. E isso nunca vai acabar, ao contrário do que os rivais imaginam.

Avante FOgão!!!

Saudações Alvinegras

Luiz Rogério disse...

Roberto,

Penso um pouco diferente de você neste momento que antecede mais uma final da vida gloriosa do Botafogo, pois em caso do Vitor Simões não poder jogar contra vasco ou fluminense não será novidade alguma para o elenco, haja visto os jogos que antecederam a final da Taça GB.

Acredito que o gol do Túlio Souza será um divisor de águas entre o azar e a falta de atenção que nos tiraram pontos preciosos na Taça Rio e a volta da "sorte" a nos sorrir neste campeonato, além d0 fato de incentivo por buscar o resultado positivo até o último minuto, como sempre deveria ocorrer.

Hoje jogaremos contra o Resende e uma vitória convincente pode ser o combustível para conquistarmos pela terceira vez seguida a Taça Rio.

* Detalhe por ninguém comenta este detalhe?

Forte abraço!

Saudações Alvinegras!!!

Luiz Rogério

Luiz Rogério disse...

Roberto,

Estamos classificados para disputar mais uma semi-final de turno e temos tudo para vencermos o Vasco no próximo domingo.

Hoje o time esteve muito bem, o ataque funcionou e a defesa não comprometeu.

Na semi-final o time tem que entrar bem ligado, para não cometer os erros bobos do jogo na fase de classificação, pois o adversário tem um contra-ataque muito rápido, com jogadores em boa fase.

Mas o bacalhau também terá que ficar atento, pois no trio ofensivo vai muito bem, obrigado! E se o Vitor Simões não for suspense nossas chances aumentam consideravelmente, apesar de que o Reinaldo e o Maicosuel podem resolver também o jogo.

Bom final de domingo, uma ótima semana.

Forte abraço.

Saudações Alvinegras!!!

Luiz Rogerío

Marcio - Rio de Janeiro disse...

E a camisa do Gérson é diferente. A listra central é branca e a dos outros é preta. Quanto ao campeonato, estamos mais vivos do que nunca e o título fatalmente virá.

Anônimo disse...

Prezado Porto: esta foto é da decisão de 67 contra o Bangu. Como sei? A camisa do Gérson. Por alguma razão misteriosa ele jogou em 67 com uma camisa diferente dos outros, com a listra do meio branca, como bem observou o Márcio no comentário anterior. Você pode comprovar vendo os filmes do Canal 100 das duas decisões. Tem no YouTube.
Mas a foto é linda, os dois jogos também.
Quanto a 69, sempre fui de opinião que o desentendimento da diretoria com o Gérson foi a principal razão das derrotas na reta final daquele campeonato. Gostaria muito de saber o seu ponto de vista.
Abraço e saudações botafoguenses.
Rodrigo Saturnino

Roberto Porto disse...

Bom, Rodrigo, não quero discutir com você. Mas a foto é do ataque do Botafogo que enfrentou e derrotou o Vasco por 4 a 0 na decisão de 1968.
Por quê? Porque naquele dia já distante,chovia a cântaros antes da partida (repare que os jogadores estão todos molhados, Roberto Miranda chega a estar despenteado). Eu estava lá na arquibancada naquela tarde. Depois a chuva amainou um pouco.
Um detalhe: Armandinho Marques expulsou de campo todo o banco do Botafogo, assim que Gérson, de falta, marcou o quarto gol
alvinegro. Foi o primeiro Campeonato Carioca no qual foram permitidas substituições.
Em 1970, no México, Paulo César Lima foi o primeiro jogador da Regra Três pela Seleção Brasileira. Ele entrou no lugar de Gérson, que
sentiu a coxa logo no primeiro jogo, contra a Tchecoslováquia.
Detalhe: contra o Bangu foi uma tarde de sol a pino, ok? Eu também estava lá, na arquiba, atrás do gol.
Saudações botafoguenses
Roberto Porto

Anônimo disse...

Meu caro Porto: seu engano está no detalhe. Naquele domingo de dezembro caiu um toró antes do jogo. Procure o Canal 100 deste jogo e você ouvirá e verá que:
a) o locutor, o grande Cid Moreira, dizendo "..uma partida jogada palmo a palmo no TERRENO MOLHADO do Maracanã". Também é possível ver a água espirrando em alguns lances.
b) repare, no lance do segundo gol do genial Gerson, que a camisa dele era de fato diferente, com a listra branca no meio, lembrando a de 62. Aliás, como o Gérson jogou naquelas duas finais.
Se você procurar fotos e, de novo, o Canal 100 do 4x0 de 68 você notará que o Gerson está com uma camisa igual aos outros, com a listra preta no meio.
De fato o ataque era o mesmo. Mas o melhor desta dúvida foi rever os filmes do Canal 100 dos dois jogos. Que maravilha o nosso BOTAFOGO. Vou tentar te mandar uma foto do jogo de 67.
Obrigado pela atenção, grande abraço e saudações botafoguenses.
Rodrigo Saturnino

henrique_bluelabel disse...

Fala Roberto Porto. Infelizmente nao vi o seu Bota. Meu pai viu e me cotna ate hoje.
Mas o ruim e que nem o Botafogo de agora eu to podendo ver. Vim para Australia em janeiro e ja morri em $100 para adiar minha passagem para antes pra ver as finais da Taca Rio.
Que os feitos do passado ecoem nos guerreiros do presente neste sabado e no proximo domingo!!
Henrique de Almeida