terça-feira, 17 de março de 2009

Cabofriense abatido a tiros


Depois de abater o Cabofriense com quatro tiros, em Cabo Frio, parece que o Botafogo
reencontrou seu melhor jogo, embora os 4 a 1 sofridos diante do Vasco ainda não tenham descido em minha garganta. Sei muito bem que a debandada de antigos jogadores alvinegros não pôde ser evitada pelo novo presidente Maurício Assumpção. Pelo contrário, Maurício fez das tripas coração e construiu um novo Botafogo, com jogadores com Juninho, Leandro Guerreiro, Maicosuel, Reinaldo e o novo pantera Victor Simões.

Mas como sou conservador, principalmente em se tratando do nosso Botafogo, ainda sinto a falta de jogadores como Túlio, Lúcio Flávio, Zé Roberto e uns poucos outros. Com o gigantesco calendário que o Glorioso tem pela frente, o atual time sentirá muito na hora de variar. Por sorte, ou por manter um certo padrão, já estamos classificados para decidir o título. Mas será que até lá o Botafogo conseguirá se manter? E vejam que ainda teremos o Fluminense pela frente, cheio de moral com a vinda de Fred.

Mas vamos adiante que atrás sempre vem gente.

O botafoguense Rodrigo Federman, numa gentileza, me remeteu a foto que tirou ao lado de Nílton Santos, ‘A Enciclopédia do Futebol Alvinegro. Rodrigo ficou emocionado com a visita que fez, agendado por dona Célia, mulher do craque de todas as épocas. Aliás, faz tempo, Otávio Sérgio (campeão de 48) me revelou que o apelido de Nílton Santos: ele era chamado pelos companheiros de ‘Caminhão.’

Seja como for, ‘Caminhão’ ou não, sou um sujeito de sorte. Vi Nílton Santos em toda sua carreira no Botafogo e na Seleção, jogando de lateral-esquerdo,em 62, posição que já abandonara.

Tive, também, o privilégio de viajar com ele para São Paulo, onde alguns periodistas (eu, inclusive) colocariam o craque em evidência no programa ‘Bola da Vez’, da ESPN Brasil. Durante a viagem na ponte-aérea, Nílton, que tem pavor de avião, ficou com uma medalhinha (creio que de Santa Teresinha) na boca. Tentei dissuadi-lo, mas foi rigorosamente em vão.

Outro privilégio (este me levou às lágrimas) foi ter sido escolhido marketing do Botafogo para saudá-lo numa reunião do conselho deliberativo. E falei de sua despedida, em 1964, num jogo contra o Simpaticíssimo no Maracanã. Ao derrotar o adversário por 1 a 0, gol de Roberto Miranda, de cabeça, num centro de Mura, o Botafogo do meu coração matou o Flamengo, que tentava o título. Aliás, a vitória naquele ano ficou entre Fluminense e Bangu. O Fluminense conquistou o troféu.

Hoje fico por aqui, mas vou refazendo o blog sempre que minhas demais obrigações não me impeçam.
O Botafogo, amigos, tem histórias que não acabam mais...

10 comentários:

Malu Cabral disse...

Salve, salve!
E quem mais poderia falar do Nilton com a amizade, amor e propriedade que tem , Porto?
Só vc...

Nosso Rodrigo Federman é do Blog 'Cantinho Botafoguense', uma pessoa muito querida por todos os Blogueiros. Uma pessoa doce e imagino a emoção que sentiu.

Beijos!

Rodrigo Federman disse...

Mestre Porto e Malu,
Agradeço imensamente esta menção.
Acho que a palavra "emoção" ainda é pouco perto do que senti ao entrar no quarto e dar de cara com o NS!
A minha reação foi de justamente "procurar uma ação", já que eu não sabia o que fazer naquela hora: Se abraçava, falava, olhava, admirava ou chorava de frente ao NS!
Fiz um pouco de tudo ao mesmo tempo e este dia (véspera da decisão da Taça Guanabara, contra o Resende) certamente entrou para um dos mais especiais da minha vida!
Não poderia deixar de agradecer a Dona Celia, pela simpatia ímpar!
Novamente, muito obrigado!
Abs e SA!!!

Malu Cabral disse...

Grande Rodrigo!

Eu imagino a emoção...
A primeira que vez que me deparei com o Nilton, senti uma coisa indescritível!´

Vc merece a deferencia...
;)

Beijão!

Bagarovski disse...

Friburguense ou Cabofriense?!

Roberto Porto disse...

Bagarovski,

Escrevo muito para muitos lugares ao mesmo tempo e a distração muitas vezes me pega essas peças.
Obrigado!
Saudações Botafoguenses
Roberto Porto

Camila Augusta disse...

Também quero encontrar com o grande Nilton Santos e viver essa grande emoção!!!

Saudações!!!

Gil disse...

Mestre Porto,

E essas histórias que não acabam mais...Só você para contar. As histórias escritas por ti são coloridas e de eterna paixão. Nos faz reviver os momentos que só você sabe e presenciou a sua maioria.
Rodrigão, valeu!

Abs e Sds, BOTAFOGUENSES!!!

Christiano Nunes disse...

Mestre Porto,

O Botafogo atualmente consegue manter um padrão de jogo com o elenco que tem. Sinceramente, não pode-se ter saudades de jogadores como Lucio Flavio e companhia que não acreditaram no Botafogo. Quase nenhum daqueles antigos jogadores quis ficar no Botafogo tendo apenas que fazer um reajuste salarial. Vejam o Rubinho, ontem em rede nacional, disse ele: Reduzi meu salário em 5 vezes. Enfim, é impressionante como jogador é mercenário! No mais, o Botafogo precisa de reforços sim. Na lateral esquerda, urgentemente!!! E no ataque e na meia também, pelo menos um jogador para cada posição. Este ano, caso conquistemos a Taça Rio antecipadamente, poderemos avançar com toda força exclusivamente para a Copa do Brasil, e se vencê-la o Fogão fará do segundo semestre apenas um laboratório para 2010. E poderá ainda ganhar dividendos na Sul-americana.

Por isso tudo,
Avante Fogão!!!!

A hora é essa!

Domingo, a próxima obrigação é lotar o Engenhão!!! Dá-lhe torcida alvinegra!!!

Luiz Rogério disse...

Roberto,

Estive no Maraca no jogo contra o Vasco e sinceramente não vi grande diferença de nível de futebol pelos times de ambas as equipes.
Penso que completo o Botafogo não perderia daquela forma e mais completo o Botafogo dificilmente perderia o jogo, pois o Reinaldo no lugar do Jean Carioca não faria o que segundo fez.
Bom, acabei de ler no blog do Paulo Marcelo "Arquiba Botafogo", que é um blog que também gosto muito de frequentar e li uma informação que achei interessante sobre o caso do Zizinho ter sido vetado de jogar no Botafogo, devido ao episódio com o lendário Biriba.
Vou reproduzir aqui com a vênia de praxe para sua análise, pois gostaria da sua opinião.
Reproduzo abaixo, em itálico, comentário de Carlos Vilarinho, historiador botafoguense e amigo deste Arquiba.

A tal lenda não tem nenhum fundamento. Vem sendo passada de pai pra filho, remendada por altas patentes do Botafogo, mas não resiste a um exame sério da história do clube. Em 1958, Zizinho, bancado por Nilton Santos e Sandro Moreyra, fez de tudo para trocar o São Paulo pelo Botafogo. Seus motivos eram estritamente pessoais. Saldanha gostou e fez preço, mas o São Paulo não quis conversa. Bebianno [Ademar Alves Bebiano] e Carlito [Carlos Martins da Rocha] não têm nada a ver com essa história. Muito menos, Biriba. Zizinho então abandonou o futebol.

Forte abraço, do amigo.
Saudações botafoguenses.
Luiz Rogério

Anônimo disse...

Caro amigo, Roberto nesta semana encontrei um comentário em sua coluna que tinha uma foto do Botafogo e na escalação você identificou um jogador como sendo Nilson Andrade, ainda tinha um comentário seu que dizia que um jornal tinha o identificado como Artur, eu não sei o nome deste atleta da foto, mas sei que não é o Nilson, pois tenho uma foto dele, gostaria de localizar novamente esta reportagem, mas não estou encontrando mais, sem um abraço do teu amigo Luis Carlos