quinta-feira, 6 de maio de 2010

Botafogo supersticioso? Quem disse?


Estimulado pelos leitores Stene Nílton e Ygor, eu, que sou supersticioso ao extremo mas não sou adepto da numerologia, vou hoje atacar com os números 12 e 21, que entraram para o já gigantesco folclore do Botafogo desde a vitória sobre o Flamengo, em 1989. Então vamos lá: o Botafogo Football Clube foi fundado por jovens rapazes a 12 de agosto (mês do desgosto) de 1904. Mas levou o nome de Electro Club durante mais de um mês. A 18 de setembro, dona Chiquitota, avó de Flávio Ramos, obrigou a garotada a mudar o nome para Botafogo. Quantos meses faltavam para o final do ano de 1904? Três (outubro, novembro e dezembro). Somem 18 com três e resulta em 21. Estou certo ou errado? Os números 12 e 21 já começaram a dar o sinal de sua graça e, pelo que Stene e Ygor dizem, são mágicos.

Mas seguimos adiante: em 1910, ano em que o Botafogo foi campeão, a companhia britânica White Star (estrela branca) lançou ao mar o ‘insubmergível’ Titanic. O transatlântico afundou, perto do Canadá, após colidir com um iceberg em 1912, outro ano de título alvinegro numa liga especial. O tempo passou e, no mesmo ano de 1912, o Botafogo – mal de finanças – recebeu por aforamento o terreno de General Severiano. Mas voltando um pouco ao passado, no dia 12 de agosto de 1904, o quartel de bombeiros do Humaitá (está lá até hoje) recebeu o aviso de um incêndio justamente na Rua General Severiano. Uma guarnição foi até lá e verificou que o alarme tinha sido falso. Não tão falso, a meu ver, porque em 1912 haveria um Botafogo por lá. E no Rio, naquele dia 12 de agosto de 1904, circulavam pela cidade, de 800 mil habitantes, apenas 12 automóveis. Mas vamos adiante.

No dia 12 de dezembro (mês 12) de 1948 (oito mais quatro) o Botafogo, em seu estadinho (capacidade de 12 mil espectadores) derrotou o poderoso Vasco da Gama, que havia conquistado no Chile, no mesmo ano de 1948, o título de campeão dos campeões sul-americanos. Por causa de Carlito Rocha, o Botafogo trocou seu calção negro por um branco, que vigorou até 1957 (sete mais cinco é igual a 12). E derrotou o Fluminense, já de calções negros, na final por 6 a 2. O dia da goleada? 22 de dezembro (12), um domingo. Mas anos antes, a oito de dezembro (12) de 1942, o Botafogo se uniu ao Club de Regatas Botafogo, formando o Botafogo de Futebol e Regatas. E adotou a estrela branca (que não é estrela, é Vênus) em seu escudo.

O tempo passou e veio o Botafogo x Flamengo de 1989, com uma enxurrada de números 12 e 21 (vai virar livro, dia 21 de junho, escrito por Casé e Paulo Marcelo). Foi então que a FIFA, em eleição interna, apontou o Botafogo como um dos 12 maiores clubes do Século 20 (o Botafogo chegou a usar um escudeto mas a FIFA proibiu). Até que 21 anos depois, o Botafogo fez contra o Flamengo uma nova final, desde 1989, e vence por 2 a 1 (21), conquistando o título de 2010 (olha o 21 aí disfarçado). Como curiosidade, o Glorioso aproveitou dois pênaltis e o Flamengo perdeu um (21 outra vez). E detalhe: havia 12 anos que um clube não vencia os dois turnos. Coincidência? Sei lá. Para terminar, uma previsão dos Maias descoberta por Stene assistindo a um programa do History Channel, a estrela Vênus (é planeta, por favor) mandou avisar que o mundo acabará a 12 de dezembro de 1912.

(*) Quais foram os melhores números sete do Botafogo? Garrincha, Jairzinho e Túlio Maravilha, totalizando 21. E se Túlio marcar o milésimo gol em 2012 (se o mundo não acabar, claro, pela previsão dos Maias?) Aí, sinceramente, tiro meu time de campo e vou estudar numerologia e predestinações. Logo eu que nasci num dia 22 do 2, tenho dois filhos, dois netos e meu primeiro carro tinha a placa 11-00-22.

7 comentários:

Chico da Kombi, disse...

###

Força Fogão!

Ataque Mercosul
neles!

###

Rui Moura disse...

Bem... vou contribuir... A Costa do Sol, em Portugal, vai de Lisboa a Cascais. São 33 quilómteros de extensão. Eu moro numa localidade justamente a 12 quilómetros de Lisboa e 21 de Cascais... A placa de sinalização está lá para provar (também tenho os meus números... rs)

Abraços Gloriosos!

ygor disse...

É esse numero é mágico ...
Em 89 aquela " lenda" (se assim posso dizer) mazolinha camisa 14 cruza para mauricio camisa 7 = 21 ...
21 graus , 12 bola cruzada na area do Crbl ... e assim vai
Então, é isso esse NUMERO persegue o cotidiano da vida dos botafoguenses.
Eu sempre tive algumas superstições quanto a botafogo ( depois do título carioca fiquei mais convicto de algumas delas). Belo post Roberto
Saudações Alvinegras
E Sabado é dia comer peixe Frito .

Obs: Fiquei contente do Nome citado no Blog( Vlw Roberto )

Adriano Vinagre disse...

Porto,

E como escrevi no meu blog (http://www.adrianovinagre.com.br/2010/04/botafogo-um-campeao-na-bola-nos-numeros.html), no primeiro gol, quem sofreu o penâlti foi o camisa 4, Fábio Ferreira, e quem bateu foi o 17, Herrera. 4+17=21.

O título já era nosso.

Grande abraço

CONVICTOS OU ALIENADOS? disse...

O Botafogo FR faz qualquer um que não seja, passar a ser supersticioso...

Octav disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Octav disse...

Opa, vou deixar minha contribuição também, Mestre Porto.

Os gols da final desse ano foram marcado por Loco Abreu e Herrera (13 + 17 = 30) o do Flamengo por Love (9). Logo, 30 - 9 = 21.

Saudações alvinegras, mestre!

Otávio Palmeira